Roda de Conversa com a Justiça Eleitoral leva informações sobre o processo eleitoral a estudantes de Direito da UFT

Projeto Roda de Conversa com a Justiça Eleitoral é levado à acadêmicos da UFT

EJE/TO: Roda de conversa UFT

Dando continuidade a mais uma ação de conscientização e educação política para o Jovem Eleitor, o Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins (TRE-TO), por meio da Escola Judiciária Eleitoral (EJE/TO), realizou, na noite desta sexta-feira (26/10), a segunda “Roda de Conversa com a Justiça Eleitoral”, desta vez com  acadêmicos de Direito, da Universidade Federal do Tocantins (UFT), que receberam orientações sobre o processo eleitoral brasileiro, segurança das urnas eletrônicas, Fake News, nome social e acessibilidade.

Participação

A professora de Direito Ambiental e juíza membro da Corte Eleitoral, Ângela Issa Haonat, atuou como mediadora na Roda de Conversa e agradeceu a presença dos alunos e a equipe da Justiça Eleitoral. “É um momento de aproximação da Justiça Eleitoral ao corpo acadêmico. Estou muito feliz em participar desse momento de crescimento e troca de conhecimentos”, disse.

Acessibilidade

O chefe da Seção de Gestão e Desenvolvimento, Clairton Thomazzi é portador de deficiência visual e falou sobre a acessibilidade. Ele esclareceu que é um direito do deficiente exercer o voto e a Justiça Eleitoral trabalha para garantir  esse direito, implementando projetos e aperfeiçoando ferramentas que  viabilizem o acesso ao voto. “A urna trouxe ao cego 100% de autonomia no momento da votação. Posso chegar no domingo, solicitar o fone de ouvido e compreender o que estou fazendo na urna. Temos também as teclas em braile. A Justiça Eleitoral se preocupa em levar a democracia a todos os seus clientes”, explicou.

Nome social

Outro assunto destacado durante a Roda de Conversa foi o nome social no título de eleitor, mediado pelo analista jurídico do TRE-TO, Adilson Cunha. “Com essa ação, a Justiça Eleitoral traz a essas pessoas o conforto de sua identidade. É um direito que procurou atingir a população travesti e transgênero de se reconhecer pelo seu nome social”, avaliou. No Tocantins, 47 pessoas solicitaram a inclusão do nome social no título de eleitor.

Urnas Eletrônicas

O coordenador de suporte e infraestrutura do TRE-TO, Valdenir Júnior, explicou aos presentes como funcionam os sistemas eletrônicos de votação e a história da urna eletrônica.  A tecnologia veio para aprimorar o processo de votação que era totalmente manual. A cada nova geração de urnas, os sistemas são aprimorados, proporcionando mais segurança e confiabilidade ao processo de votação. “A urna passa por testes constantes e seus sistemas são rigorosamente fiscalizados”, avaliou.  

Fake News

O secretário de tecnologia da informação, Jader Gonçalves, explicou como as Fake News são disseminadas e alertou os presentes a reconhecerem o que é de fato uma notícia falsa ou não. “Não estamos invisíveis nas redes sociais, é preciso checar sempre as informações antes de repassar”, disse.

Após as palestras, foi aberto espaço para perguntas e respostas. “Nesse momento focamos muito no discurso e na campanha política e nos esquecemos de buscar informação de como funciona uma eleição e a segurança que os tribunais eleitorais oferecem para o cidadão brasileiro. Para nós futuros operadores do Direito, é importante entender não só a visão legislativa, mas também, o processo técnico e informático que envolve uma eleição”, avaliou o presidente do Centro Acadêmico de Direito, Kaio Pinheiro Valadão.

Implantação de melhorias

Todas as perguntas e sugestões de melhorias foram registradas pela assessora de pesquisa, estratégia e qualidade do TRE-TO, Silvia Helena. As informações serão apresentadas a alta direção do Tribunal, para análise e implementação de melhorias.

Também participaram da ação a coordenadora da EJE/TO, Ana Carina Souto e a servidora Elisandra Bega.

Lília Mara – ASCOM TRE-TO

Últimas notícias postadas

Recentes